21.03.2022

Setores: Agroalimentar

Atualizações | Agroalimentar | 1-15 Março

Informação | Principais resultados do Conselho AGRIFISH de 21 de março

Na sequência da reunião extraordinária por videoconferência do passado dia 2 de março, os ministros da agricultura da UE trocaram pontos de vista sobre a situação atual do mercado agroalimentar na sequência da invasão russa da Ucrânia. A discussão centrou-se na identificação de medidas para garantir a segurança alimentar na UE, tanto na sequência imediata da invasão como numa perspetiva de mais longo prazo, e também foi considerado o provável impacto da guerra no abastecimento alimentar em países não pertencentes à UE.

A esse propósito, a Comissão apresentou um documento oficioso sobre medidas para abordar a situação do mercado e a segurança alimentar na sequência da invasão russa da Ucrânia

A Comissão apresentou aos ministros informações sobre a aprovação dos planos estratégicos previstos na nova PAC, que motivou uma outra troca de pontos de vista. Recorda-se que, de acordo com a Política Agrícola Comum para o período de 2023 a 2027, cada Estado-membro da UE teve de apresentar à Comissão, até ao final de 2021, um plano que identificasse as suas necessidades e instrumentos específicos, e que estabelecesse objetivos nacionais em conformidade com os objetivos à escala da UE. A Comissão está atualmente em processo de avaliação destes planos.

As delegações nacionais informaram os ministros sobre os assuntos seguintes:

 

  • A produção de proteínas vegetais na UE de acordo com o Pacto Ecológico Europeu – Informação fornecida pela delegação austríaca apoiada pelas delegações alemã, búlgara, croata, cipriota, estoniana, finlandesa, grega, húngara, italiana, letã, lituana, luxemburguesa maltesa, polaca, portuguesa, romena, eslovaca e eslovena;
  • Planos estratégicos da PAC e agricultura sustentável – Informação fornecida pela delegação húngara, em nome do búlgaro, croata, húngaro Delegações polaca, romena, eslovaca e eslovena;
  • Revisão das indicações geográficas – Declaração conjunta do grupo dos Amigos das IG  – Informação da delegação espanhola, em nome das delegações austríaca, belga, búlgara, cipriota, croata, espanhola, grega, húngara italiana, letã, maltesa, polaca, portuguesa, romena e checa (como observadora);
  • Reunião de ministros da agricultura do G7 – Informação da delegação alemã;
  • Preocupações relativas ao projeto de legislação sobre a utilização sustentável dos produtos fitofarmacêuticos – Informação da delegação polaca, em nome das delegações austríaca, búlgara, croata, estónia, húngara, letã, lituana, maltesa, romena, eslovaca, polaca e eslovena;
  • Impacto do aumento dos preços da energia na pesca – Informação da delegação espanhola, com o apoio da belga, búlgara, cipriota, croata, grega, irlandesa, italiana, letã, lituana, portuguesa, romena e eslovena;
  • Utilização de biofertilizantes (RENURE) – Informação da delegação neerlandesa;
  • Alternativas aos produtos fitossanitários – Informação da delegação eslovena.

 

Informação | Reunião da Comissão Parlamentar AGRI do Parlamento Europeu de 16 e 17 de março

A 16-17 de Março, os deputados ao Parlamento Europeu, membros da Comissão Parlamentar da Agricultura e Desenvolvimento Rural (AGRI), discutiram a perturbação no comércio UE-Grã-Bretanha das batatas de semente, a visão de longo prazo para as zonas rurais, o impacto da PAC na biodiversidade, solo e água, as implicações económicas e oportunidades para a produção biológica na UE e a situação do mercado do arroz.

A audição pública de dia 16, organizada pela Comissão AGRI em conjunto com a Comissão de Desenvolvimento Regional (REGI) dedicada a uma visão de longo prazo para as zonas rurais contou com a intervenção da Comissária Elisa Ferreira, do ex-Ministro da Agricultura e Professor da Universidade Católica Arlindo Cunha e dos deputados Isabel Carvalhais e Álvaro Amaro.

Foram também informados sobre a missão à Feira Internacional Agrícola de Paris e sobre os “prémios que reconhecem a excelência na cadeia alimentar biológica na UE”.

A Comissão AGRI analisou ainda dois projetos de relatório sobre, respetivamente, uma nova Estratégia Florestal da UE para 2030 e uma alteração à Decisão 2003/17/CE do Conselho relativa à equivalência das inspeções de campo de culturas produtoras de sementes efetuadas em países terceiros e à equivalência das sementes produzidas em países terceiros.

 

Informação | Dados sobre o comércio de produtos agrícolas entre a União Europeia e a Rússia anterior à eclosão do conflito com a Ucrânia

O comércio com a Federação Russa representa 3,7% das exportações globais da UE de produtos agroalimentares, e 1,4% das importações globais de produtos agroalimentares.

Os principais produtos importados da Rússia, em termos de valor global, são resíduos e resíduos das indústrias alimentares, incluindo bagaços de oleaginosas e componentes de rações (32,3%), sementes oleaginosas (19,1%), gorduras e óleos animais ou vegetais (9,9%), bebidas (7,0%), cereais (6,5%), e outros produtos (25,2%).

Relativamente às exportações da UE para a Rússia, as principais categorias são bebidas (21,2%), preparações comestíveis (9,3%), resíduos e desperdícios das indústrias alimentares (8,0%), sementes oleaginosas (7,4%), árvores vivas e outras plantas (7,3 %), cacau (7,3 %), e outros produtos (39,5%).

Em termos de categorias de produtos, uma parte significativa do comércio agroalimentar da UE está ligado à Rússia. Quase 19% dos “outros alimentos e ingredientes de alimentos para animais” importados para a UE são provenientes daquele país, assim como quase 8% do açúcar (excepto beterraba e cana), e um pouco mais do que 6% do trigo importado.

Quanto às exportações da UE, mais de metade das exportações totais de soja destinam-se à Rússia, bem como mais de 20% do total das exportações de sementes de cacau, oleaginosas, ovos e mel, e flores e plantas cortadas.

No que respeita às exportações globais agroalimentares, a Rússia é um importante produtor e exportador de óleo de girassol (28,6% das exportações globais), trigo (18%), cevada (15,4%), e milho (2,3%).

A Rússia e a Ucrânia tornaram-se potências agrícolas emergentes, representando quase 30% das exportações mundiais de trigo, 30% do comércio mundial de cevada, e detinham uma quota de mercado de 15% de óleos vegetais. O impacto da guerra nos mercados agroalimentares está ainda a ser avaliado, mas, a julgar pelo papel que ambos os países ocupavam na produção dos principais produtos agroalimentares e fertilizantes, é expectável que seja bastante significativa.

Conhecimento